Sobre Partido Operário de Unidade Socialista

Membro da IV Internacional, o POUS apoia e desenvolve as iniciativas do Acordo Internacional dos Trabalhadores e dos Povos que, em todo o mundo, promove a defesa das Convenções da OIT, dos direitos laborais, da independência das organizações sindicais e da paz.

EUA: “Shutdown” histórico

profs_los_angeles_em_greve2

O “shutdown” (paralisia parcial da Administração) está em vigor há mais de três semanas, tornando-se o mais longo que já houve nos EUA: na ausência de Orçamento adoptado, o Estado norte-americano não pode comprometer-se com outras despesas senão as consideradas essenciais na Administração Pública e que não tenham sido acordadas entre o Congresso e Trump, o Presidente. Continuar a ler

Anúncios

Brexit: Numa última tentativa para obter o apoio do Labour Party, May dirige-se aos sindicatos

img_la-afp-getty_members_2_1_874hgolc

A 15 de Janeiro, os deputados britânicos rejeitaram massivamente o Acordo negociado pela Primeira-ministra Theresa May com Bruxelas: 432 votos contra, 202 a favor. É a pior derrota parlamentar sofrida, no Reino Unido, por um Governo desde há um século. O líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, exigiu imediatamente o voto de uma moção de desconfiança para o dia seguinte.

Reproduzimos um artigo publicado – a 14 de Janeiro de 2019 – no Labour News, que é um Boletim editado por militantes do Partido Trabalhista (Labour Party) simpatizantes da 4ª Internacional.

A 12 de Janeiro, milhares de pessoas manifestaram-se em Londres ao apelo da Assembleia do Povo contra a austeridade (uma coligação de sindicatos, partidos e associações, por eleições imediatas e contra a austeridade). Os organizadores tinham apelado os manifestantes a levar um colete amarelo e alguns grupos também decidiram bloquear a circulação do trânsito. Continuar a ler

Um aparelho de Estado a desagregar-se

whatsapp-image-2018-11-23-at-20-16-58Não passa um dia sem que seja notícia mais um sintoma da desagregação do aparelho de Estado em Portugal. Relembremos as principais.

Foi o roubo das armas em Tancos, com a consequente imagem de desagregação e incapacidade de toda a hierarquia do Exército. Um “roubo” cujos contornos continuam muito mal explicados.

Continuar a ler

15 de Janeiro: centenário do assassinato de Rosa Luxemburg

rosa-luxemburgo-filc3b3sofa-marxista-economista-polc3adtica-lc3adder-12

Em memória de Rosa Luxemburg, militante operária e grande teórica marxista,no centenário do seu assassinato

A 15 de Janeiro de 1919, Rosa Luxemburg e Karl Liebknecht foram assassinados em Berlim pelos freikorps (grupos paramilitares, embrião das SA nazis), sob a responsabilidade do governo dos social-democratas liderado por Ebert, Scheidemann e Noske. Dois meses antes tinha rebentado a Revolução alemã, com a insurreição dos marinheiros de Kiel e – ainda que contida após o levantamento espartaquista (1) – a situação continuava a ser ameaçadora para a dominação burguesa (quatro dias depois Trotsky, num texto de homenagem a esses dois revolucionários, compara essa situação com as Jornadas de Julho de 1917, na Rússia). Continuar a ler

17 medidas de Bolsonaro contra o povo, em 24 horas

Bolsonaro

Transcrevemos uma Nota publicada, a 2 de Janeiro de 2019, no site do Partido dos Trabalhadores (PT) do Brasil.

Não foi preciso esperar mais que um dia para que o presidente da extrema-direita deixasse claro para quem governará: para a elite, para os interesses do mercado e para o Governo dos EUA. Continuar a ler

Coletes amarelos proibidos no Egipto

piramides_Egipto

Transcrevemos uma Nota da autoria de Lucien Gauthier, saída no semanário Informations ouvrières (Informações operárias) nº 534, de 19 de Dezembro, órgão de imprensa do Partido Operário Independente (POI).

O marechal al-Sissi – Presidente muito pouco democrata do Egipto – decidiu proibir, sob pena de sanções judiciais, a venda de coletes amarelos em Dezembro e Janeiro, em todo o país. Continuar a ler

Espanha: Direita franquista encarniçada contra medidas do governo do PSOE

Governo espanhol

Declaração da Redacção de Informação Operária, tribuna livre da luta de classes no Estado espanhol, publicada a 24 de Dezembro de 2018

Reivindicações operárias e direitos democráticos

Quase 4 milhões de trabalhadores vão ser imediatamente beneficiados pelos decretos aprovados pelo Conselho de Ministros, a 21 de Dezembro.

Os acordos aprovados incluem um aumento de 22,3% do salário mínimo, que afecta 1 milhão e trezentos mil trabalhadores (dos quais, 2/3 são mulheres), um aumento de 2,5% para os funcionários públicos de todas as administrações (que chega a 2,75%, em média, com os subsídios adicionais). A isto junta-se o anúncio do restabelecimento do IPC (Índice de Preços no Consumidor, ou seja, a inflação – NdT) para o cálculo da subida das pensões, a partir de 2019, que afecta 11 milhões de pensionistas. Continuar a ler