As Jóias da Coroa Britânica: a que preço?

“O Sol nunca se põe no Império”. Esta fórmula, que passou à posteridade, resume o facto de que, no início do século XX, o Império Britânico – primeira potência imperialista mundial – abrangia 23% do planeta e detinha um quarto da população mundial sob a sua tutela. Começando pela Irlanda martirizada, nas imediações do Reino, até aos territórios mais longínquos (Índia, Austrália, África, América, Nova Zelândia, Médio Oriente,…).

CÚMPLICE NO TRÁFICO DE ESCRAVOS, MAS NÃO SÓ

Um especialista sobre a questão colonial, o professor Trevor Burnam (da Universidade de Hull), recorda que, já no século XVI, Elizabeth I financiou a primeira viagem dos navios para tráfico de escravos. Ele assinala que países independentes acusam a Monarquia britânica, desde há anos, de ter sido “cúmplice das atrocidades do tráfico de escravos”. Isto é absolutamente verdade, é claro. Mas não só cúmplice, o que já seria um crime. Ela foi promotora, actora e beneficiária da pilhagem geral do mundo, em conjunto com as outras potências europeias. Como símbolo hediondo, a coroa que acaba de mudar de cabeça contém o maior diamante talhado do mundo: pesa 106 gramas, está incrustada no ceptro real e proveio das minas da colónia da África do Sul. Sobre uma das coroas, outro diamante, Koh-i Nor, foi “apanhado” durante a guerra na Índia. No total, os ‘crachás reais’ consistem em 23.578 pedras preciosas, muitas das quais foram extraídas nas colónias. Diz-se que valem mais de três mil milhões de libras esterlinas.

Depois de Portugal e Espanha, com a França e os Países Baixos, sem esquecer a Suécia, a Monarquia britânica esteve no centro do tráfico de escravos. Já no século XVI, a Companhia Real Africana – estabelecida em 1660 por essa Monarquia – obteve imensos lucros com o tráfico de escravos. Só no período entre 1672 e 1731, a Companhia transportou mais de 187.000 escravos de África para as colónias das Américas.

Desde essa altura, o tráfico de escravos, a colonização, o trabalho forçado e a pilhagem em geral têm sido orquestrados e protegidos pela Monarquia e pelo Parlamento britânicos. Os lucros desse comércio contribuíram, poderosamente, para a revolução industrial. A City de Londres não teria o seu lugar central nas finanças internacionais sem esta “acumulação primitiva“, de que Marx falou em meados do século XIX.

Não é, portanto, difícil de compreender por que razão a ‘altamente civilizada’ e cínica classe capitalista britânica reverencia tanto a ‘Sua Graciosa Majestade’.

Muito oficialmente, o novo Monarca herdará 430 milhões de libras esterlinas… livres de impostos. Os seus assuntos são de um excepcional calibre, especialmente porque ele e o seu séquito custarão a bagatela de 100 milhões de libras esterlinas por ano para os manter. Tudo pago pelos contribuintes britânicos. Para já não mencionar outras regalias reais que permitem que os fidalgotes de todos os tipos sejam regados generosamente.

A Monarquia britânica (tal como a sua irmã espanhola) – corroída por escândalos que são difíceis de disfarçar – está actualmente a receber as homenagens dos poderosos de todo o mundo e dos seus apoiantes. Todos eles sabem, na realidade, que o Reino e o sistema que o acompanha são extremamente frágeis, e que não se trata apenas o fim de um reinado, mas do fim de uma era.

REINAR SEM GOVERNAR?

“O monarca reina, mas não governa”, aprendemos nos livros de História. Mas a realidade é mais complexa. A Monarquia britânica e o Parlamento estão associados, os seus interesses estão estreitamente interligados (as multinacionais, a propriedade fundiária, a Bolsa de valores, os bancos, os paraísos fiscais, os cargos e as prebendas que os acompanham).

Portanto, há uma longa história de superação das suas contradições, ligada ao lugar de cada um no edifício constitucional, numa partilha do trabalho necessário para a defesa dos seus interesses comuns, os da classe capitalista. Tudo sob a égide da Igreja Anglicana, a religião estatal e um dos principais proprietários de terras (latifúndios) do Reino.

As ‘jóias da coroa’ na testa do cognominado Carlos III são muito mais do que emblemas. São o resultado do sangue, suor e lágrimas de inúmeros povos em todo o mundo, para já não falar dos trabalhadores do país, tais como os mineiros do País de Gales e da Escócia, os estivadores de Liverpool, os republicanos irlandeses assassinados, e muitos outros.

As pompas fúnebres dispendiosas não podem esconder a realidade da situação e a ansiedade de dignitários de todos os tipos. Há a desestabilização geral aberta pelo Brexit, e poderosas greves dos trabalhadores de diversos sectores têm tido lugar nas últimas semanas. Tendo como pano de fundo uma crise política, económica e social que está a afectar todos os membros da Commonwealth (1).

Em França, o editorialista do Journal du dimanche (10 de Setembro) fala de “canto do cisne”. Com desgosto e amargura.

Não cantámos o God save the Queen (Deus salve a Rainha), e não iremos cantar o God save the King (Deus salve o Rei).

Crónica da autoria de Gérard Bauvert, publicada no semanário francês “Informations Ouvrières” Informações operárias – nº 723, de 14 de Setembro de 2022, do Partido Operário Independente de França.

—————————–

(1) A Commonwealth é uma associação voluntária de 53 Estados soberanos. A maioria são ex-colónias britânicas, com exceção de Moçambique (antiga colónia portuguesa) e o Ruanda, que aderiu em 29 de Novembro de 2009.

VASSALAGEM

É para prestar a sua vassalagem a esta Coroa que o Governo português (do PS!) acaba de decretar 3 dias de luto nacional…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s