ITÁLIA: Eleições legislativas, a 25 de Setembro

A luta da Unione popolare propõe-se concorrer: “Nunca houve uma mobilização tão grande, em pleno mês de Agosto” (Luigi de Magistris, ao centro na foto)

Após a queda do Governo de Mario Draghi, no passado mês de Julho, serão realizadas em Itália eleições legislativas a 25 de Setembro. Draghi tinha emitido um decreto, a 5 de Maio de 2022, que assegura a todos os partidos já existentes no Parlamento – e portanto a todos aqueles que o tinham apoiado, desde o Partido Democrata aos da extrema-direita – a possibilidade de poderem apresentar candidatos sem restrições. Pelo contrário, a Unione popolare (União Popular), liderada por Luigi de Magistris – que propõe um programa de ruptura com o passado – é obrigada a recolher 50 mil assinaturas, até 20 de Agosto, a meio das férias de Verão.

Luigi de Magistris, ex-presidente da Câmara municipal de Nápoles, que lidera este Movimento, explica: “Pela primeira vez em Itália, estão a ser organizadas eleições em pleno Verão, obrigando as forças políticas que estão fora do Sistema a recolher quase 50 mil assinaturas, para poderem participar nas eleições legislativas. Este é ainda um obstáculo maior, porque não nos foi permitido utilizar assinaturas electrónicas (as ferramentas digitais) e o número de assinantes não foi reduzido. Estamos a fazer uma verdadeira corrida de obstáculos e a esferográfica tornou-se num instrumento revolucionário. Há uma grande mobilização. O nosso Movimento, baseado num projecto de ruptura, só recentemente se tornou realidade; mas esta mobilização é muito encorajadora e temos sinais muito positivos.

Enquanto a política das instituições nos mostra uma imagem verdadeiramente indigna de saltimbancos da República que mudam de partido como quem muda de camisa, nós somos os únicos que estamos com a população, procurando mobilizá-la. Apresentamos um programa muito bom. Propomos uma equipa de candidatos que são pessoas credíveis. Se conseguirmos recolher todas as assinaturas necessárias – e temos até 20 de Agosto para o fazer – isso seria um resultado histórico e dar-nos-ia um impulso muito importante para o último mês da campanha.”

Um programa de ruptura

A Unione Popolare propõe um programa de ruptura, como expresso neste seu comunicado de imprensa.

“Há uma emergência democrática em Itália. Todos os partidos maioritários fizeram leis antidemocráticas para impedir qualquer força política autónoma, que parta de baixo, de entrar no Parlamento.

(…) Vivemos num país dividido em dois: existe uma minoria que, mesmo durante as pandemias e guerras, aumentou a sua riqueza de forma exagerada; e uma maioria, enorme, que tem dificuldade em fazer face às despesas mensais. Queremos representar esta maioria: os trabalhadores que produzem a riqueza e recebem pouco ou nada em troca; os jovens que não têm perspectivas de futuro; as mulheres; e os reformados. O centro-direita, o centro-esquerda e até o Partido Cinco Estrelas contribuíram todos para esta crise.

Precisamos de algo novo, de ar fresco. É por isso que queremos apresentar o projecto Unione Popolare com Luigi de Magistris. Queremos levar elementos, simples mas revolucionários, para as instituições:

– Construir relações internacionais de paz. Parar as despesas militares e o envio de armas.

– Salário mínimo de pelo menos 10 euros [por hora], extensão do rendimento do cidadão, em oposição ao trabalho não declarado e precário, abolição da “Lei do Emprego” [reforma do Direito do Trabalho do governo Renzi].

– Uma verdadeira transição ecológica, através de um investimento financeiro massivo nas energias renováveis e na conservação da água. Parar a exploração massiva dos solos e os grandes investimentos desnecessárias, tais como o comboio de alta velocidade. Proteger os bens comuns, a começar pela água pública e os serviços essenciais como as escolas e a saúde pública.

Isto não é impossível, pois há muitos cidadãos que querem uma mudança real. Só precisamos de nos unir, para depositar a nossa confiança em pessoas que estão empenhadas no bem-estar de todos, não nos seus próprios interesses pessoais. Ajude-nos a espalhar esta mensagem por todo o país!

Assine para a Unione popolare!”

Nota: O programa da Unione popolare, “A Itália de que precisamos”, está disponível online, em italiano: https://unionepopolare.blog/programma

———————————–

Crónica da autoria de Ophélie Sauger, publicada no semanário francês “Informations Ouvrières” Informações operárias – nº 719, de 17 de Agosto de 2022, do Partido Operário Independente de França.

Última hora: “Recolhemos 60 mil assinaturas em 10 dias”

Num comunicado da União Popular, datado de 21 de Agosto, pode ler-se: “Recolhemos 60 mil assinaturas em 10 dias, um feito extraordinário sem precedentes na história das eleições em Itália (…) graças a uma gigantesca mobilização dos nossos militantes.

O palácio, a torre de marfim – onde os vários os decisores políticos quiseram entrincheirar-se para defenderem as suas posições e os seus lobbies – tentou impedir uma força de base, que representa a grande maioria sobre os privilégios de uns poucos, de fazer parte do processo democrático. Não o conseguiu fazer. A União Popular vai estar presente nos boletins de voto.

(…) Em cada assinatura, em cada reunião, tivemos a confirmação de que o país – o país dos trabalhadores, dos jovens, dos estudantes, dos reformados – tem uma necessidade desesperada de representação política. Há uma forte procura de salários mais elevados, de facturas mais baixas, de direitos básicos.”

Advertisement

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s