Fim ao genocídio do povo palestiniano!

O POUS transcreve na íntegra um comunicado do Movimento Democrático para a Convergência do Trabalho (MDCT) com o qual se solidariza totalmente.


Mais de 1260 Palestinianos mortos – cuja maioria são civis, mulheres e crianças – pelos bombardeamentos do Exército israelita, segundo os Serviços de Emergência de Gaza.

Pelo menos 5 000 Palestinianos feridos, com a grande maioria a terem sequelas para o resto da sua vida. Para quem defende a paz, e o direito dos povos a viverem e a decidirem soberanamente do seu futuro, as únicas palavras de ordem possíveis são:

– Paragem imediata e sem condições dos bombardeamentos sobre Gaza!
– Retirada das tropas israelitas!

São estas palavras de ordem que unem todos os manifestantes em todos os países da Europa e no resto do mundo. Palavras que expressam o profundo sentimento de compaixão e vontade de pôr fim ao sofrimento atroz de um povo que nem sequer pode fugir.

Sentimentos aos quais a União Europeia e os seus governos voltam completamente as costas, numa cumplicidade completa com o governo de Israel – polícia do imperialismo dos EUA.

São estes os amigos do governo PSD/CDS – cujos deputados dos partidos que o apoiam votaram, a 25 de Julho, contra as moções apresentadas pelo PCP sozinho e, conjuntamente, pelo BE e pelo PS, a condenar a violência do Exército israelita em Gaza. É por isso que, em sintonia com a União Europeia, também ele voltou as costas às manifestações e tomadas de posição que, no nosso país como em todo o mundo, exigem a paragem imediata do massacre do povo palestiniano.

Pois trata-se efectivamente de um massacre, resultante da política desenvolvida desde 1948 contra o povo palestiniano, com o aval do imperialismo dos EUA e dos seus aliados.

De todos os quadrantes elevam-se vozes a exigir que os trabalhadores e o povo da Palestina deixem de viver este verdadeiro “apartheid”, que vai do bloqueio económico, ao êxodo e aos bombardeamentos (existem 250 mil Palestinianos em campos de refugiados).

A Coordenação do Movimento Democrático para a Convergência do Trabalho (MDCT) junta a sua voz ao clamor dos milhões de homens e mulheres que exigem o fim do genocídio, associa-se à CGTP e a todas as organizações da classe trabalhadora que lutam contra a guerra e contra a exploração, para que sejam criadas as condições que imponham:

– A paragem dos bombardeamentos sobre Gaza!
– A retirada imediata e sem condições das tropas israelitas!

A Coordenação do MDCT
Lisboa, 30 de Julho de 2014

Advertisements