Médicos para “usar e deitar fora”?

concentracao_medicos

Segundo o semanário Expresso, de 13/7/2019, “o ministro das Finanças, Mário Centeno, discorda da reintrodução da exclusividade para os médicos do Serviço Nacional de Saúde (SNS). Essa é uma hipótese que tem sido apontada pelo PS e pelos seus parceiros à esquerda, e que estará prevista na nova Lei de bases da Saúde, se esta for aprovada com a última redação negociada no Parlamento por socialistas, PCP e BE. É também um caminho defendido pela ministra da Saúde, Marta Temido, que esta semana voltou a fazer declarações apontando nesse sentido. E é uma reivindicação assumida abertamente por anteriores ministros da Saúde socialistas, como Adalberto Campos Fernandes e Correia de Campos. Mas conta com a oposição frontal de Mário Centeno.” Continuar a ler

Anúncios

Na Grécia, 42% de abstenção, derrota do Syriza: uma rejeição popular da aplicação dos memorandos

Tsipras_and_Junker

Divulgamos esta análise sobre os resultados das eleições na Grécia, publicada no semanário Informations Ouvrières – Informações operárias – do Partido Operário Independente, de França, nº 561, de 10 de Julho de 2019.

As eleições legislativas na Grécia, que se realizaram no passado domingo (7 de Julho), tiveram uma abstenção de 42%… num país onde o voto é obrigatório! A Nova Democracia – o partido da “direita” – ganhou com 39,8% dos votos, o que corresponde a 23% dos eleitores inscritos. Os seus 158 assentos dão-lhe uma maioria absoluta, o que lhe permite constituir um novo Governo.

O Syriza ficou na segunda posição com 31,5% dos votos, ou seja 18,27% dos inscritos. Continuar a ler

A Cimeira da União Europeia e o Acordo de Livre Comércio com o Mercosul

 

Mercosul

As sucessivas Cimeiras dos chefes de Estado ou de Governo dos 28 países da União Europeia coincidiram com a assinatura (à espera de ratificação pelos países assinantes) do Acordo de livre comércio UE/Mercosul, em negociação desde há anos (1).

Apesar da casualidade de calendário, estes dois factos mostram o profundo desmoronamento destas instituições, particularmente da União Europeia, entre o martelo da guerra comercial lançada pela Administração de Trump e a bigorna da resistência dos povos e dos trabalhadores às políticas de austeridade. Continuar a ler

Argélia: Pacto político por uma verdadeira alternativa democrática

Argelia

Enquanto prosseguem as manifestações massivas exigindo a queda do Regime, sete partidos e a Liga Argelina em Defesa dos Direitos Humanos acordaram um Pacto político por uma verdadeira alternativa democrática.

Reunidos a 1 de Julho de 2019, na Sede nacional do Partido da União pela Mudança e pelo Progresso, os partidos políticos subscritores do pacto político por uma verdadeira transição democrática – FFS, PT, RCD, UCP, PST, MDS, PLD, e a LADDH (1) – saúdam a imensa maioria de argelinos e argelinas, comprometida num movimento revolucionário, desde 22 de Fevereiro de 2019, pela queda do Regime/Sistema e o exercício pleno e total da soberania popular, e que mantém o carácter pacífico da sua acção, apesar das múltiplas e incessantes provocações e outras intoleráveis e irresponsáveis agressões do Poder – incarnado pelo chefe do Estado-maior do Exército Nacional Popular – contra os cidadãos, o multipartidarismo, os meios de Comunicação social, as liberdades sindicais e as liberdades fundamentais, entre elas a de manifestação. Continuar a ler

Em Espanha, uma só prioridade: responder às reivindicações sociais e democráticas

manif_Espanha

O complicado panorama institucional decorrente dos resultados eleitorais faz com que o centro da “actividade da Corte” se desenvolva entre pactos, manobras, acordos, vetos cruzados entre partidos e coligações.

Este agitado emaranhado está também organizado para ocultar os problemas de fundo: a esmagadora maioria dos trabalhadores, dos desempregados, dos jovens e os povos – em primeiro lugar o povo catalão – tem reivindicações urgentes e espera respostas.

Apesar da propaganda oficial, as consequências brutais da crise económica aberta em 2007 – para a maioria social – não foram eliminadas. Continuar a ler

Concentração em frente da Embaixada da Argélia, em Lisboa

Deleg_Emb_Argelia_em_Lisboa

Louisa Hanoune é a Secretária-geral do Partido dos Trabalhadores argelino, eleita deputada desde 1997, que se encontra presa desde o passado dia 9 Maio. Foi chamada a testemunhar pelo Tribunal militar de Blida e já de lá não saiu. É uma presa política. É a 3ª ou 4ª vez que a prendem. Foi a 1ª mulher a candidatar-se à Presidência da República no mundo árabe. Tem sido uma intrépida defensora da igualdade de direitos da mulher. Ela luta, com o povo argelino, pela instauração de um Regime que respeite a vontade do povo. Ela foi contra a 5ª candidatura consecutiva do então presidente Bouteflika. Ela preconiza – como solução para ultrapassar a crise política argelina – a eleição de uma Assembleia Constituinte livre, democrática e soberana, e pelo fim do Regime…

Continuar a ler

Argélia: que saída?

manif_estudantes_argel

20 de Junho de 2019

Às 18 horas

No quadro da Jornada internacional pela libertação de Louisa Hanoune, vai ter lugar uma concentração em frente da Embaixada da Argélia em Lisboa, exigindo o fim imediato da sua prisão.

Rua Duarte Pacheco Pereira, 58  1400-140 LISBOA

(Bairro das Embaixadas, no Restelo)

Às 18h 30m, a Embaixadora da Argélia irá receber uma delegação dos iniciadores desta campanha em Portugal.

Continuar a ler