Síria: lágrimas de crocodilo

Exodo Siria-6

Mais uma vez, a Síria está em chamas com a sua procissão de mortos, de deslocalizados e de terror (1). O Governo turco decidiu atacar as milícias curdas da Síria – que ele denuncia como terroristas – visando, diz ele, impedir a unidade entre os Curdos da Síria e os da Turquia. Com este fim, reuniu milhares e milhares de combatentes árabes sírios, que são refugiados na Turquia – os quais eram essencialmente antigos jihadistas – baptizando estes mercenários como “Exército sírio livre”.

As milícias curdas têm sido supervisionadas e trabalhavam em conjunto com o Exército dos EUA, o qual reconhece ter sido graças a essas milícias que o Daech foi esmagado. Durante semanas, o Presidente da Turquia (Erdogan) anunciou uma grande operação contra os Curdos da Síria e pediu a Trump a retirada das tropas norte-americanas desta região. Continuar a ler

Anúncios

Solidariedade com o povo do Equador

Concent_Equador

O POUS, Secção portuguesa da 4ª Internacional, solidariza-se com a luta do povo equatoriano – vítima de uma selvagem repressão, da Polícia e do Exército de um Regime ao serviço do imperialismo.

E, depois de alguns dos seus militantes terem participado na concentração junto do Consulado do Equador em Lisboa, no dia 13 de Outubro, divulga a tomada de posição e as informações mais recentes provenientes da sua congénere nesse país: a Organização Socialista Revolucionária dos Trabalhadores, Secção da 4ª Internacional no Equador.

 TODOS JUNTOS CONTRA O “PACOTE” IMPOSTO PELO FMI!

FORA LENIN MORENO!

Continuar a ler

China: 70 anos depois da Revolução, para onde vai?

Pequim_1948

Da expropriação da burguesia, no país mais populoso do mundo, ao “socialismo de mercado”. Divulgamos uma crónica, da autoria de Lauro Fagundes, publicada no jornal “O Trabalho” – da responsabilidade da Secção brasileira da 4ª Internacional – na sua edição nº 855, de 10 de Outubro de 2019. Na foto vê-se o Exército revolucionário a entrar em Pequim, em Janeiro de 1949, significando a vitória da Revolução Chinesa no norte do país.

A 1 de Outubro de 1949, Mao Tsé-Tung proclamou a República Popular da China. No meio das convulsões que marcaram o período posterior ao final da 2ª Guerra Mundial (1945), a expropriação da burguesia e a realização da independência nacional pela revolução chinesa foi um acontecimento crucial. Continuar a ler

A União Europeia: uma “terra de asilo”?

Lesbos

O muito “progressista” Macron, que afirma ser contra o populismo, trouxe novamente para a ribalta a questão dos migrantes, misturando alegre e voluntariamente os trabalhadores imigrantes – que vivem e trabalham aqui – e os refugiados que fogem da guerra e da pobreza. Ele quer fazer desse tema um debate nacional, com o objectivo de se apresentar como um “progressista” frente a Marine Le Pen. É um jogo político reaccionário que toma os trabalhadores imigrantes e os refugiados como bodes expiatórios. Recorde-se que, sob a presidência de Macron, as fronteiras foram drasticamente fechadas, especialmente com a Itália, e foram alcançados acordos com a Turquia, para manter os migrantes dentro das suas fronteiras, tal como com as milícias líbias, encarregadas de interceptar as tentativas de travessia do Mediterrâneo. Continuar a ler

Uma reflexão no terreno da defesa das conquistas de Abril

AR

Dados resultantes das eleições legislativas de 2019

A taxa de abstenção, somada com os votos brancos e nulos, atinge o limiar dos 50%, na maior parte do país. Assim, este valor é o maior de sempre em eleições legislativas, tal como o número de cidadãos que se deslocaram à respectiva mesa eleitoral, para exercer o seu direito de voto, anulando-o ou votando em branco.

O PS ganha as eleições (com 36,65% dos votantes, o que equivale a 20% dos eleitores inscritos), mas atingindo um resultado semelhante ao resultado do PS na segunda eleição de Sócrates, bem longe da maioria absoluta de anteriores governos do PS. Continuar a ler

Louisa Hanoune: Pela verdade na Informação

Louisa_Hanoune_2

O jornal Público, de 26 de Setembro, noticia – com o título “Irmão de Bouteflika condenado a 15 anos de prisão” – a informação de que Louisa Hanoune, Secretária-Geral do Partido dos Trabalhadores (PT) da Argélia, foi incluída no grupo de altas patentes do Estado argelino, em conjunto com o irmão do antigo Presidente da República, e foi igualmente condenada, no mesmo Tribunal Militar, a 15 anos de prisão, sendo acusada de envolvimento numa conspiração contra o Estado argelino.

Trata-se da informação oficial do actual Regime argelino, para – através da amálgama e da calúnia – justificar a prisão de uma importante dirigente política, referenciada pelo seu combate, ao longo de uma vida, contra o sistema de Partido único, pela defesa das liberdades e da justiça social, política e económica, pela defesa da nação argelina e da sua soberania, pela paz, contra todas as interferências imperialistas. Continuar a ler

A falência da agência de viagens Thomas Cook

Thomas Cook

Durante 178 anos, Thomas Cook levou milhões de pessoas em viagem, com toda a segurança.  Excepto neste ano. Depois da súbita falência da empresa, 600 mil turistas estão retidos em diferentes países do mundo e dezenas de milhares de pessoas que já tinham pago a sua viagem não irão partir, nem irão ser reembolsados. Os 22 mil empregados de Thomas Cook ficarão na rua… desempregados.

É verdade que há especialistas a discutir sobre a concorrência dos operadores turísticos via Internet, etc.. Mas há mais do que isso: desde 2011, a Thomas Cook pagou 1,1 mil milhões de euros em juros bancários. Continuar a ler